A próxima edição do Concurso “Fritz Teixeira de Salles” de Poesia, a de número 16, contará com uma novidade. São duas novas categorias, criadas especialmente para os alunos de nossa rede de ensino.

Divididas entre o Ensino Fundamental II e o Ensino Médio, a ideia da Fundação Cultural Pascoal Andreta é incentivar cada vez mais aqueles autores que ainda não tiveram a oportunidade de participar de um evento que busca difundir a cultura em nossa cidade.

O período de inscrições será antecipado em relação ao concurso tradicional, acontecendo nos meses de outubro e novembro, de forma que possamos trabalhar junto às escolas na divulgação e convite aos alunos, porém, a premiação acontecerá na mesma data das categorias Monte Sião e Geral.

Para participar dessas categorias é obrigatório ao autor estar regularmente matriculado e cursando do sexto ao nono anos do ensino fundamental ou do primeiro ao terceiro anos do ensino médio, em qualquer uma das escolas municipais, estaduais ou particulares do município de Monte Sião.

O regulamento para essa fase do concurso pode ser consultado aqui.



Monte Sião – a cidade

 

Oficialmente fundada em 29 de março de 1849 por portugueses, foi colonizada por italianos a partir de 1889. Arraial do Jaboticabal foi seu primeiro nome, sendo que o atual foi dado por três missionários que, em 1850, notaram semelhança entre o Morro Pelado, ao sul do município, na fronteira com Águas de Lindoia, com o Monte Sion, na Palestina, aportuguesado para Monte Sião. Monte-sionense é o gentílico para quem nasce em Monte Sião.

O município tem a área de 292 km², e, embora pequeno, não é o menor de Minas Gerais, porém maior que quatro países europeus – Mônaco, San Marino, Liechstenstein e Vaticano. Pelo censo de 2010 a população de Monte Sião era de 20 870 habitantes. Sua altitude é de 850m.

A cidade está localizada no sul de Minas Gerais e faz divisa com o Estado de São Paulo. O centro da cidade está apenas a mil metros do limite com o estado paulista, porém muitas casas pertencentes a diversos bairros já se encontram exatamente na linha divisória.

A economia da cidade fundamenta-se na industrialização e comércio do tricô. Mais de mil lojas e malharias compõem esse cenário econômico que consome toda a mão de obra do município, habilitada ou não, conferindo a Monte Sião o privilégio de cidade sem desemprego.

Além da compra do tricô e do Museu, a cidade oferece aos turistas visitas à Porcelana Monte Sião, ao Santuário Nossa Senhora da Medalha Milagrosa e, ao lado do templo, Sala das Graças e loja para venda de recordações religiosas, Lar São José (abrigo Vicentino para idosos), Mosteiro da Santíssima Trindade, Imagem da Padroeira, instalada no Mirante da AAM, Reavida (Recanto de Apoio à Vida) e Igrejinha do Rosário.

A rede hoteleira tem qualidade variada, porém suficiente para acomodar o turista. Conta com hotéis-fazenda, pousadas urbanas e rurais. Diversos pesqueiros, confortáveis e atraentes, recebem o visitante com variedade de peixes, bar e restaurante.